No Princ�pio Era o Verbo

Um Grande Impacto?

Todo m�s de dezembro, come�amos a antecipar a maior celebra��o do ano: o Natal! Todas as lojas e muitas casas est�o iluminadas com luzes e enfeites, e at� mesmo as ruas de muitas cidades brilham com luzes cintilantes em torno de muitos dos edif�cios. E a maior emo��o de todas? Presentes! O que vamos receber? Ser� que temos sido esperando? N�s simplesmente n�o podemos esperar para 25 de dezembro!

Uma Entrada Muito Tranquila

� assim que aconteceu h� 2000 anos atr�s? Eram pessoas esperando ansiosamente: decoraram eles suas casas na expectativa do nascimento de Jesus? Compraram eles os presentes um para o outro para comemorar este nascimento t�o esperado? Quando Ele nasceu, fez um an�ncio para ir por todo o mundo que o Salvador tinha chegado � �ltima?

De modo nenhum.

Quando Jesus nasceu em Bel�m, tamb�m chamada de Cidade de Davi (lembre-se?), apenas um punhado de pessoas estavam realmente cientes de que. N�o foi Maria, a m�e de Jesus, e Jos�, seu noivo. Os donos da pousada onde Maria e Jos� foram provavelmente estavam conscientes de que a mulher tinha dado � luz, mas n�o tinha import�ncia especial para eles.

Mas houve grande alegria no c�u, n�s sabemos, porque Lucas 2:8-14 diz-nos que um grande grupo de anjos apareceu para alguns pastores na noite do nascimento de Jesus. Eles n�o s� anunciaram que um menino chamado Jesus nasceu, mas na verdade proclamou que Ele era o Messias que os judeus estavam esperando por tanto tempo!

Mas seria mais trinta anos antes do resto o mundo descobrir que.

Quatro Homens, Quatro Hist�rias

Nos anos seguintes a morte, ressurrei��o e ascens�o de Jesus , quatro homens foram inspirados para escrever sobre a vida Dele. Os quatro primeiros livros do Novo Testamento s�o nomeados para os homens que escreveram essas biografias (geralmente s�o chamados evangelhos): Mateus, Marcos, Lucas e Jo�o.

Provavelmente, eles n�o conhe�o ningu�m estava escrevendo a hist�ria de Jesus. Mateus, Lucas e Jo�o, quase certamente tinha lido o Evangelho de Marcos; estudiosos acreditam que foi a primeira biografia de Jesus para ser escrito. Mas os quatro evangelhos foram escritos de forma independente umas das outras.

Quando as pessoas contam uma hist�ria sobre um evento, geralmente tentam incluir os seus opini�es, que s�o as partes mais importantes. Este foi o caso com Mateus, Marcos, Lucas e Jo�o; alguns incluem os eventos e as hist�rias que os outros n�o incluem.

Por exemplo, apenas Mateus e Lucas contam a hist�ria do nascimento de Jesus. Talvez na mente de Lucas, que achou importante que as pessoas sabiam que Jesus nasceu de uma virgem. Jos�, o noivo de Maria, n�o era o pai de Jesus; Jesus era o Filho de Deus. (Lucas 1:26-38)

O Evangelho de Mateus come�a com a linhagem de Jesus. Lembre-se como naquela �poca distante, Deus prometeu a Abra�o que o mundo seria aben�oado por um rei que viria a partir de seus descendentes (G�nesis 12:3)? Mateus tem o cuidado de mostrar que Jesus era um descendente direto do Rei Davi, que era um descendente direto de Abra�o. Jesus foi o cumprimento dessa profecia antiga.

No caso de Marcos e Jo�o, eles parecem assumir que, quando eles estavam escrevendo sobre Jesus, todos sabiam de quem eles estavam falando: Em Sua �poca, Jesus era muito, muito famoso. Assim, Marcos e Jo�o come�am suas hist�rias de Jesus, quando Ele come�ou Seu minist�rio terrestre, ou seja, quando Ele tinha cerca de trinta anos.

Um Messias Inesperado

Quando n�s aprendemos dos profetas, que previu que Israel iria cair para a Ass�ria e da Babil�nia, n�s tamb�m aprendemos que mesmo esses profetas previram que um rei viriam da linha do Rei Davi. Estas profecias deram os judeus esperan�a que Israel voltaria a se tornar uma grande na��o, que um rei iria conquistar todos os inimigos de Israel e transform�-lo em uma superpot�ncia que dominaria o mundo.

Mas os judeus n�o leram todas as profecias; ou se foram lidos, foi muito mal entendido e que muitos das profecias significavam. Os profetas DUAS deram descri��es do Messias que Deus enviaria. Um deles seria realmente um poderoso governante. O que os judeus n�o entendem era que o rei viria de uma forma mais humilde (Bel�m, lembre-se?), Ele n�o viria com muita fanfarra (Lembre-se da noite calma em obscura, pequeno Bel�m?), e seria um homem que conheceria a dor e o sofrimento, n�o a gl�ria e o poder real.

Como derrotado, as pessoas desmoralizadas, os judeus n�o estavam � procura de um Messias que seria uma pessoa humilde gosto de Jesus; eles estavam procurando algu�m muito mais espetacular do que isso.

E assim, quando Jesus veio e viveu entre eles, eles n�o reconheceram o Messias quando eles viram ele.

Os Ensinamentos de Jesus

Lembre-se que Jesus foi crescido em um lugar que estava sob o dom�nio de outro pa�s: onde Ele morava, era o poderoso Imp�rio Romano. Jesus cresceu em uma sociedade que foi muito simples; o povo judeu era muito devota, e os seus vizinhos agricultores ou pescadores ou comerciantes (Jos�, o marido de sua m�e, era um carpinteiro).

Talvez por isso, Jesus tentou ensinar verdades espirituais, contando hist�rias, chamado de par�bolas, muitas vezes sobre coisas que as pessoas em Sua companhia tinha que saber e entender:

Os Fariseus

No �poca que Jesus viveu, os sacerdotes (a B�blia tamb�m chama eles de �fariseus�, uma palavra que significa �separado�), governaram a vida quotidiana dos judeus. Os sacerdotes vinham de uma das doze tribos de Israel que Deus tinha escolhido especificamente para o papel: os Levitas (da tribo de Levi). Eles sentiram que era o seu trabalho para os judeus, para evitar cair em pecado, como eles fizeram no passado. Foi o seu trabalho, ou assim pensavam eles, para ler e interpretar a B�blia para o povo. (Lembre-se do que dissemos antes sobre a inten��o de Deus que a B�blia � para todos?)

Jesus n�o era da tribo de Levi, de modo Ele n�o era um sacerdote.

Para ser um rabino ou um professor, um homem teve que passar por um longo per�odo de treinamento em uma escola especial rabbinical.

Jesus n�o tinha ido para a escola rab�nica, e assim os fariseus n�o consideravam Ele como �qualificado� para ser um professor.

Assim, quase desde o in�cio do seu minist�rio, Jesus estava em desacordo com os l�deres religiosos. Multid�es de pessoas se reuniram para ouvir Jesus ensinar. Em uma de Suas s�ries mais famosas de aulas, o chamado Serm�o da Montanha (que pode ser encontrada em Mateus 5 e Lucas 6), praticamente todos os pontos que Ele fez foi contra que os fariseus tinham ensinado as pessoas.

Algumas das ideias principais que Jesus queria que seus seguidores aprendessem:

A Coisa Mais Importante

A coisa mais importante que Jesus queria que Seus seguidores soubessem era que Ele, Jesus, foi o Filho de Deus, e que a salva��o do pecado vem somente atrav�s Dele. Um dos versos mais famosos da B�blia � Jo�o 3:16:

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unig�nito, para que todo aquele que nele cr� n�o pere�a, mas tenha a vida eterna.

Esta afirma��o de Jesus foi revolucion�ria por duas raz�es: Em primeiro lugar, a id�ia de que Jesus era o Filho de Deus era inaceit�vel para muitos judeus. Como poderia um mero homem ser Deus? A segunda ideia que os l�deres religiosos nos dias de Jesus n�o podiam aceitar era que a salva��o n�o era reservada somente para os judeus. Jesus disse que quem acredita nele pode pertencer ao Reino de Deus. (Jo�o 1:12)

Os Saduceus

Outro grupo de judeus que viviam no tempo de Jesus eram chamados os saduceus. Estes foram importantes, muitas vezes, os homens ricos que tinham feito uma esp�cie de acordo pol�tico com os romanos, por isso tiveram uma certa quantidade de poder pol�tico. Os saduceus por vezes, assumiu a tarefa de aumentar os impostos para os romanos dos seus companheiros judeus, e muitas vezes desonesta, exigindo mais do que as pessoas lhes devia, para que pudessem manter uma quota para si pr�prios.

Eles eram considerados traidores por muitos dos judeus por causa das suas liga��es estreitas com os romanos odiados. Rebeli�o estava nas mentes de muitos judeus na �poca de Jesus; eles se irritaram com a dureza do dom�nio romano.

Os saduceus acreditavam que era o trabalho deles para manter a paz entre os judeus e os romanos. Na mente dos saduceus, se os judeus n�o eram um problema para os romanos, era mais f�cil para todos.

O Problema Com Jesus

Como vimos anteriormente, Jesus estava ensinando as multid�es de pessoas a boa not�cia a respeito de Deus e do Seu amor. Os fariseus n�o gostavam disso; eles queriam ser a �nica autoridade religiosa entre os judeus. Jesus ensinava as pessoas a pensar mais profundamente sobre as quest�es espirituais do que os padres tinham feito, e o povo o amava por isso.

Os saduceus n�o gostavam da multid�o que Jesus tirou-os a si mesmo. Uma multid�o de pessoas n�o podiam ser facilmente controlado. Se Jesus queria que o multid�o em torno de si segui-lo em rebeli�o contra Roma, que poderiam fazer sobre isso?

Os saduceus sabiam que nem uma grande multid�o de judeus n�o era p�reo para o poder do ex�rcito romano. Se os romanos tinham que acabar com uma rebeli�o judaica, eles iriam esmag�-los completamente (e cerca de 35 anos ap�s a vida de Jesus, foi exatamente o que eles fizeram). Seu poder pol�tico n�o significaria nada para os romanos, e os saduceus n�o estavam dispostos a perder seus poderes a um jo�o-ningu�m como Jesus!

A pior coisa que Jesus fez, por�m, foi para anunciar ao povo que Ele era realmente o Filho de Deus. Ele disse-lhes que Ele era o Messias que estavam esperando por tanto tempo. Para os fariseus, isto era uma blasf�mia (falta de respeito completa para Deus)! Sob a lei judaica, era um crime pun�vel com a morte.

Novamente e novamente, Jesus fez sinais e milagres para sustentar Sua reivindica��o de ser o Messias: Ele curou os enfermos, fez os cegos v�em e os coxos andar novamente. E tamb�m um homem tinha sido ressuscitado dos mortos!

Jesus foi percebido como uma amea�a aos fariseus (porque Ele estava levando as pessoas a duvidar a autoridade deles) e os saduceus (porque poderia ser uma amea�a ao poder deles).

Os fariseus e os saduceus n�o eram bons amigos e normalmente n�o colaboraram uns com os outros, mas agora havia um inimigo comum: Jesus.

Uma noite, quando Jesus estava orando, Judas Iscariotes, um homem que tinha estado no grupo de amigos mais pr�ximos de Jesus, levou um grupo de fariseus e saduceus a um lugar onde ele sabia que Jesus gostava de rezar, o Jardim do Gets�mani. Jesus n�o resistiu � pris�o, mas Ele sabia que tinha cometido nenhum crime.

Os acusadores de Jesus levou-o � casa de Caif�s, o sumo sacerdote do templo, para realizar um julgamento secreto. Caif�s disse que Jesus era culpado de blasf�mia por causa de Sua reivindica��o de ser o Messias, o Filho de Deus.

Como Ele estava diante do sumo sacerdote, Jesus disse, �Eu sou o Messias, e voc� vai ver-me na m�o direita de Deus.� (Marcos 14:62)

Apesar das testemunhas falsas que se reuniram para dar "testemunho" contra Jesus, Caif�s decidiu que esta declara��o de Jesus foi uma confiss�o de culpa. Seu veredicto foi que Jesus deveria ser condenado � morte.

Os judeus n�o poderiam realizar a pena de morte sem a autoriza��o do governador romano, Pilatos. Os sacerdotes levaram Jesus a Pilatos e disse que Jesus tinha cometido trai��o: se Ele afirmava ser o Messias, eles disseram, que era o mesmo que dizer que Ele era o Rei dos Judeus. Sob a lei romana, ningu�m poderia ser chamado rei, sen�o C�sar.

Pilato n�o realmente acreditou que Jesus era s�rio em dizendo que ele era o Rei, porque Ele n�o oferecer uma defensa enquanto ele estava sendo julgado. Mas os sacerdotes judeus insistiram para que ele seja condenado � morte. Mesmo quando Pilatos ofereceu-lhes uma escolha de ter um assassino condenado, Barrab�s, liberta, ou ter libertado Jesus, o povo todo gritou que Jesus deve ser condenado � morte. (Marcos 15:6-13)

Jesus Morre e � Ressuscitado

A crucifica��o era uma forma de puni��o capital utilizado pelos romanos. Foi uma forma vergonhosa de morrer. Embora Jesus � comumente retratado em pinturas vestindo uma tanga, era realmente despojado de Sua roupas, ent�o estava nua para todos verem. Foi especialmente constrangedor porque a crucifica��o era reservado pelos romanos para os piores tipos de criminosos.

Depois de uma noite de ser espancado, primeiro por seus acusadores, os judeus, e depois guardas romanos, Jesus foi for�ado a carregar Sua cruz at� o lugar onde era para ser crucificado. Ele estava t�o fraco de todos os golpes que Ele n�o podia suportar o peso da cruz; um escravo que estava passando ao longo do caminho foi feito para carregar a cruz de Jesus para Ele.

Quando chegaram ao lugar da crucifix�o, guardas romanos pregaram as m�os e os p�s de Jesus na cruz. Os soldados que o levaram l� apostaram para a roupa que eles tinha tirado Dele.

Embora geralmente tomou v�rios dias de intenso sofrimento para morrer na cruz, as feridas de Jesus e Sua perda de sangue na noite anterior, provavelmente acelerou a Sua morte. Ele morreu no mesmo dia em que foi pregado na cruz.

Embora a maioria dos amigos de Jesus o havia deixado quando foi preso no Jardim do Gets�mani, um homem chamado Jos� de Arimat�ia teve a coragem de ir at� Pilatos e pedir o corpo de Jesus para que ele pudesse ser enterrado corretamente.

Ele enrolou o corpo de Jesus de linho e depositou ele em um t�mulo que tinha sido escavado na rocha. Ele rolou uma grande pedra sobre a entrada e para a esquerda.

Jesus j� havia tentado a dizer aos Seus disc�pulos muitas vezes que Ele iria morrer como o �ltimo sacrif�cio pelos pecados da humanidade, mas eles nunca tinha entendido.

Se Jesus era o Filho de Deus, eles argumentaram, se Ele era o Messias prometido de Deus, como Ele poderia morrer?

No terceiro dia ap�s a morte de Jesus, algumas das mulheres que foram Seus amigos foram ao t�mulo onde foi enterrado. Era o costume judaico ungir um corpo com algumas especiarias para o sepultamento. Quando sa�ram, eles perguntaram uns aos outros � que elas iam mover a pedra que foi rolada em frente � tumba.

Quando as mulheres chegaram, ficaram surpresos ao descobrir que a pedra tinha sido removida e que o t�mulo estava vazio!

Um anjo, que estava sentado no ch�o onde o corpo de Jesus lhes havia, dito, �N�o tenha medo! Jesus ressuscitou dentre os mortos, como ele disse que iria!� O anjo disse �s mulheres para retornar aos seus amigos e dizer-lhes a grande not�cia de que Jesus tinha ressuscitado dos mortos. (Marcos 16:6-7)

Assim como os judeus celebram a P�scoa cada ano para comemorar sua liberta��o da escravid�o no Egito, os crist�os celebram o Domingo de P�scoa como o evento mais glorioso na hist�ria: Jesus tinha ressuscitado dos mortos, vencendo o poder da morte sobre a humanidade e para oferecer o perd�o dos nossos pecados de todos os tempos!

Naturalmente, os amigos de Jesus n�o podiam acreditar quando soube que Jesus n�o estava em seu t�mulo.

Mas Jesus apareceu aos onze disc�pulos v�rias vezes ap�s sua ressurrei��o. Ele passou muito tempo conversando com ele sobre como tinha sido o cumprimento de muitas profecias, e seus olhos foram finalmente abertos a todas as verdades que Jesus tinha tentado a dizer-lhes antes de sua crucifica��o. (Lucas 24:27)

Jesus Ascende Ao C�u

Jesus continuou a aparecer aos disc�pulos, durante um per�odo de quarenta dias depois da ressurrei��o. Certa vez, durante um jantar que compartilhou com eles, Ele pediu que Seus ap�stolos n�o se afastassem de Jerusal�m at� que eles tinham recebido o dom do Esp�rito Santo. (Jo�o 14:16)

Na �ltima ocasi�o, quando Jesus apareceu aos disc�pulos, eles perguntaram se agora era para restaurar Israel � sua antiga gl�ria. Jesus respondeu que s� Deus sabe a resposta a essas quest�es. (Atos dos Ap�stolos 1:7)

E, como eles todos ali estavam com Ele, Jesus come�ou a subir no c�u, para cima e longe deles. Os disc�pulos olhavam e olhavam at� que eles n�o podiam ver Jesus mais. Jesus havia subido ao c�u para estar com seu pai, mas a hist�ria n�o termina a�. Na verdade, foi s� o come�o!



















Conte�do| T�tulo da P�gina